garagem do odois

blog do thiago do odois

Fundo

Tata Nãonão

Recentemente entrou em produção um veículo (automóvel) que será vendido por cerca de 2500 dólares ( valor inferior ao preço de muitas bicicletas de fibra de carbono, diga-se de passagem).

De cada 10 pessoas que eu escuto falando sobre este fato(ou lei em revistas e páginas na internet), pelo menos 9 delas comentam a mesma coisa:

-Agora que todo mundo vai poder comprar um carro o trânsito estará perdido.

Bom, perdido o trânsito já está faz um bom tempo, em Curitiba e em muitas cidades semelhantes. Mas o que nos salta aos olhos é um fato muito intrínseco da nossa cultura, em especial brasileira.

Fato este é a divisão de TODA população em apenas 2 categorias. As pessoas que não tem dinheiro para ter um carro e as pessoas que conseguem se deslocar exclusivamente de carro.

Ou seja, a partir do momento em que se pode ter um carro, torna-se quase proíbido andar de bicicleta, ônibus, etc. Lembro me da cara de espanto das pessoas quando descobriam que eu ia para a faculdade de ônibus alguns dias da semana, deixando o carro em casa e para o estágio de bicicleta na mesma situação. E não tinha razão financeira para isso, apenas achava isto melhor para a cidade.

Espero na verdade que este veículo venha trazer uma revolução no aspecto de que não seja o poder aquisitivo o fator decisivo na utilização dos meios de transporte, mas sim a real necessidade. Transportar compras, deixar crianças pequenas no colégio, levar pessoas de idade em médicos entre outras situações similares sou inclusive a favor da utilização de carros.

Entretanto chega a ser vergonhoso pessoas que moram em distâncias próximas a seu trabalho/local de estudo ou providas de boas alternativas de transporte público eno ápice da sua saúde fingirem que não podem deixar o carro em casa e adotar uma bicicleta como meio de transporte. E ainda reclamar de como o trânsito esta ruim.

Portanto pense em como melhorar sua cidade e sua saúde ao menos experimentando  sair de casa de bicicleta. Em muitos países (culturalmente superiores ao Brasil) isto já é uma realidade, onde muito podem ter carros e poucos o usam, dando lugar a sinergia bicicleta/metro por exemplo,  fazendo com que toda uma cidade saia ganhando.

1 resposta para “Tata Nãonão”

  1. 7 maio 2009 as 21:32

    lulis disse:

    para os desantenados, basta dar uma googlada buscando por “tata nano” para entender do que se tata, digo, trata.